Cópia e pirataria virtual também é crime! Não copie sem autorização!

Videos de Gláucia Hamond

Loading...

quinta-feira, 3 de março de 2016

Borboleta na Janela

Licença Creative Commons
O trabalho Borbleta na Janela de Gláucia Hamond Coutinho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Era uma tarde comum. Nublada, mas calma. E eu olhava o mundo pela janela. Protegida por aquela pequena, porém firme, película de vidro. Embora de vidro, era uma proteção. Eu admirava a vista com tamanha emoção e gosto, mas com uma pontinha de receio e insegurança. Talvez uma certa pontinha de medo do que me era estranho, diferente e desconhecido. A vida passava por aquela janela como um filme numa tela de projeção. As pessoas andavam, os cães latiam, os gatos caminhavam elegantemente pelos telhados, os carros corriam e as folhas das arvores caíam como bailarinas dando piruetas ao vento. E enquanto eu apreciava toda aquela paisagem sedutora, notei uma borboleta. E ela era linda! Toda colorida! Voava para todos os lados e vez ou outra batia na janela. Parecia querer entrar sem entender que o vidro, embora transparente, era uma barreira. Fiquei muito tempo avaliando aquela situação. Vários dias se passaram. Talvez meses e anos... Não sei ao certo. E eu sempre via a tal borboleta por ali, tentando entrar, lutando contra o vidro. Uma batalha praticamente impossível por ela não notar a barreira que existia. Eu me perdi no tempo olhando e tentando entender a luta daquela borboleta. Eu não fazia mais nada, a não ser observar aquela intrigante situação. E como nós éramos parecidas! Eu e a borboleta. Depois de muito avaliar, me dei conta de que o vidro não era tão transparente assim! Era levemente espelhado... Espelhado por dentro. De repente, tudo ficou mais claro! A borboleta era eu! Curiosa e louca para me aventurar! Mas amedrontada pelo desconhecido. Enchi o peito de ar, como uma atleta que toma coragem e impulso na hora de um salto. Abri a janela e senti aquela brisa gostosa acariciar o meu rosto como uma luva de seda. Fechei os olhos por um instante para curtir o momento. Sorri emocionada! E sem olhar para trás, abri minhas asas e voei mundo afora! Ao me perder naquele voo, me encontrei. Agora segura e certa de que em algum momento da vida, todos nós somos borboletas na janela.

Imagem da internet.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Book Fotográfico

Fotos feitas por Zuh Ribeiro, na Army Agency.


















quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O "Ser ou Não Ser" Por Trás da Magia

Licença Creative Commons
O trabalho O  "Ser ou Não Ser" Por Trás da Magia de Gláucia Hamond Coutinho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Ser ator/atriz é um desnudamento de corpo e alma. É se desnudar de vaidades, de formas e de preconceitos. É se desapegar da aparência e da estética em prol da personagem. É despir-se de você e vestir-se de um outro alguém. É deixar-se ficar fora dos padrões convencionais (muitas vezes cruelmente impostos) de beleza, se libertando de tudo. E é justamente aí que uma outra beleza diferente vem à tona. É despir-se de pudores. É despir-se de tudo! Mas não se morre e nem se anula. Apenas se permite dar espaço a uma outra vida, uma outra história. Uma vida que nasce de fora pra dentro e de dentro pra fora. E que ganha luz quando se ouve a palavra "ação". E é neste exato momento que a magia entra em cena.



Gláucia Hamond

Texto criado após as filmagens do curta "Unbreakable Signs" (roteiro e direção de Victor Clin). O curta é baseado e inspirado no longa americano "A Vila" (The Village) de M. Night Shyamalan. 


Na foto, eu, como Mrs. Hunt.




quarta-feira, 22 de abril de 2015

O Anjo

Licença Creative Commons
O trabalho O Anjo de Gláucia Hamond Coutinho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.




As vezes pequenos anjos descem à terra com alguma missão. Eles surgem, muitas vezes repentinamente, para nos proteger ou nos ensinar alguma coisa. E assim que esta missão é cumprida, eles precisam voltar. Anjos vêm à este plano disfarçados. Oras são animais dóceis, ora são humanos extremamente sensíveis.  Muitas vezes excluídos ou não compreendidos,  eles vêm  simplesmente para doar. Doam amor, doam ensinamentos, doam generosidade e doam suas vidas. As vezes demoramos para entender seu jeito de ser e viver. Acho que esta dificuldade se deve ao fato de realmente serem diferentes. Claro! Eles têm asas! Embora nem todos nós consigamos enxergá-las. Mas, mais difícil ainda é tentar entender sua partida. Difícil aceitar a partida de uma criatura tão pura. Mas não podemos nos esquecer que anjos precisam voar. Enquanto disfarçados por aqui, com suas asas escondidas, tentamos achar ou nos enganar que eles são como nós! Mas não são! Eles são muito mais! Eles são anjos! E à partir do momento em que suas missões são cumpridas por aqui, suas asas já não são mais segredo algum. E é aí que elas suplicam para voar. Afinal, não deve ser nada fácil esconder um par de asas por tanto tempo assim. E nesses últimos dias, eu vi um lindo par de asas ruflar. E aquele anjo lindo voou.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

A Menina que Salvou o Rouxinol

Licença Creative Commons
O trabalho A Menina que Salvou o Rouxinol de Gláucia Hamond Coutinho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

A Menina que Salvou o Rouxinol
foto da internet

A menina fez carinho nos seus gatos, brincou com eles e saiu rapidamente, com certa pressa, de sua casa. Saiu do elevador, e com passos largos já chegava à frente do parquinho quando algo te chamou a atenção. De uma moto estacionada, daquelas tipo Scooter, vinha um barulhinho diferente. A menina parou e percebeu que embaixo da moto, no local onde os pés ficam pousados, existe uma mola horizontal, coisa que ela nunca havia percebido antes. Mas seu coração disparou quando notou que entre as ranhuras das voltas da mola estava preso pelo dedinho, um passarinho, que se debatia, de cabeça para baixo! Preso pelo dedinho de uma de suas patinhas! Era um rouxinol! Mais do que depressa, largou tudo no chão, se abaixou para segurar o pobrezinho, que de tão nervoso fazia suas necessidades sem parar na mão da menina, que por sua vez, gritava por socorro! Ela berrava por ajuda, sem vergonha alguma de parecer ridícula! Berrava o nome do porteiro de seu prédio, alternando com pedidos de ajuda e socorro. Uma funcionária aparece e ela, aos berros e quase chorando, relata o acontecido de forma resumida e pede que alguém ajude a livrar o dedinho da patinha do rouxinol daquela mola. Provavelmente, ele deve ter pousado ali, e ao tentar levantar voo, seu dedinho deve ter escorregado para dentro da mola, o que o deixou preso e pendurado. Ela o segurava para que não sofresse tanto e não machucasse ainda mais sua patinha, mas as vezes o bichinho, na tentativa de voar, escapava de sua mão, mas ela o recolhia de volta para não sofrer ainda mais com a dor, que deveria ser enorme. E ao segurá-lo, notava o batimento frenético de seu coraçãozinho pequeno e amedrontado. Algumas pessoas chegaram perto e saíram rindo, de certo achando uma besteira e uma criancice tentar salvar um passarinho... Triste ver adultos que deixam morrer a criança de dentro deles... Mas as demais crianças que se encontravam no parquinho permaneciam ali do lado, torcendo pelo bichinho! Ah, o coração das crianças... Finalmente o porteiro chega! Várias tentativas com uma chave de fenda foram em vão! Mas com a ajuda de uma simples colher num movimento anti-horário, a ranhura da mola pôde ser forçada e o dedinho liberado. A menina, com suas mãos trêmulas de nervosismo, não conteve o passarinho por muito tempo. Mas foi tempo suficiente para notar que não havia sangue. Provavelmente pode ter causado algum dano, ou não, mas nada que comprometesse a vida daquele bichinho, que cabia na palma de sua mão. Ele voou, posou no chão, voltou a levantar voo e posou no muro do parquinho. Dali, foi para a grama. E a menina, ainda nervosa, pergunta às demais crianças se ele realmente tinha conseguido voar, pois ela, naquela tensão toda, o tinha perdido de vista. As crianças respondem com um "sim", um sinal positivo feito com as mãos e olhares de tranquilidade. O rouxinol estava salvo! A menina comenta com o porteiro que ainda estava tremendo. Recolhe seus pertences que estavam largados no chão. Sua bolsa, um saco de ração para gatos e a chave de seu carro... Era uma menina, sim! Uma menina de 45 anos. Por que quem tem um coração de criança, jamais deixa de ser uma. E aquela criança que vive ali dentro daquela mulher, ama os animais, sem vergonha alguma de parecer ridícula! E esse amor transbordava pelos seus olhos em forma de lágrimas.

domingo, 14 de setembro de 2014

Adelaide - a sem noção!

Licença Creative Commons
O trabalho Adelaide - a sem noção! de Gláucia Hamond Coutinho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Quando a atriz está em casa de bobeira, exercitando o ócio criativo! hehehehehehehe





video